03
Jul 11

Vem visitar-nos! Come visit us!

publicado por ginger às 22:06 | comentar | favorito
14
Jun 11

Vila da Povoação, vista da Lomba do Pomar no início do séculoXXI.

 

 

 

 

publicado por ginger às 16:43 | comentar | favorito
12
Jun 11

Vila da Povoação, vista da Lomba do Pomar no início do século XX.

 

 

publicado por ginger às 04:19 | comentar | favorito
11
Jun 11

New York! The city that never sleeps!

 
 
 

No âmbito da Unidade de Formação CLC_6, foi-nos proposto fazer um trabalho sobre a informação acerca de uma cidade do mundo. Saber a sua localização e características da cidade escolhida. As características do tipo de arquitectura na cidade, identificação de zonas mais modernas, destacando inclusive locais a visitar nessa cidade.

 Das catorze cidades escolhidas pela formadora, fiz pesquisa da cidade de Nova Iorque. Por o multiculturalismo ser bem visível na mesma e  por ser a cidade onde tudo acontece.

Nova Iorque  é a cidade mais povoada do Estado de Nova Iorque, dos Estados Unidos da América e a segunda maior aglomeração urbana do continente. É o centro da área metropolitana de Nova Iorque, a qual está entre as áreas urbanas mais populosas do mundo. Nova Iorque é considerada uma cidade global, dada a influência exercida por ela sobre o comércio mundial, finanças, cultura, moda e entretenimento. Além do mais, nela se localiza a sede da Organização das Nações Unidas e é também um importante centro de negócios internacionais. A cidade é muitas vezes referida como New York City ou City of New York, para diferenciá-la do Estado de Nova Iorque, do qual faz parte.

Localizada em um grande porto natural na costa atlântica do nordeste dos Estados Unidos, a cidade é composta por cinco distritos: Bronx, Brooklyn, Manhattan, Queens e Staten Island. Com uma população estimada em 2009 em mais de 8,3 milhões de pessoas e com uma área territorial de 790 km², Nova Iorque é a grande cidade mais densamente povoada dos Estados Unidos.[7] A população da região metropolitana de Nova Iorque é também a maior do país, estimada em mais de 19 milhões de pessoas em 17 400 km². Além disso, a Área Estatística Combinada contendo a Grande Nova York possui mais de 22 milhões de habitantes em 2009, segundo estimativas do Censo, sendo também a maior nos Estados Unidos.

Nova Iorque foi fundada como um posto de troca comercial pelos Holandeses em 1624. O local foi chamado de Nova Amsterdã até 1664, quando a colónia ficou sob controlo Inglês. Nova Iorque foi a capital dos Estados Unidos de 1785 até 1790, sendo a maior cidade do país desde então.

Muitos distritos e pontos turísticos da cidade tornaram-se conhecidos mundialmente. A Estátua da Liberdade recebeu milhões de imigrantes que vieram para o país no final do século XIX e início do século XX. Times Square, iconizado como "A Encruzilhada do Mundo", é o centro iluminado da zona dos teatros da Broadway, um dos mais movimentados cruzamentos de pedestres do mundo, e um importante centro da indústria de entretenimento. Wall Street, em Manhattan, é um dominante centro financeiro global desde a Segunda Guerra Mundial e é o lar da Bolsa de Valores de Nova Iorque. O bairro Chinatown, em Manhattan, atrai multidões de turistas para suas calçadas movimentadas e estabelecimentos de varejo. Escolas de classe mundial e universidades, como a Universidade Columbia e a Universidade de Nova Iorque também residem na cidade. Nova Iorque também é o lar de alguns dos arranha-céus mais altos do mundo, incluindo o Empire State Building e as extintas torres gêmeas do World Trade Center.

A cidade é o berço de muitos movimentos culturais, incluindo o Renascimento de Harlem na literatura e nas artes visuais; o expressionismo abstrato (também conhecido como Escola de Nova Iorque) na pintura; o hip hop; o punk a salsa, disco e Tin Pan Alley na música.

Nova Iorque é notável entre as cidades estado-unidenses em sua elevada utilização de transporte de massa, cuja maioria funciona 24 horas por dia, e pela densidade populacional e diversidade de seus habitantes. Em 2005, cerca de 170 idiomas eram falados na cidade e 36% de sua população tinha nascido fora dos Estados Unidos.[13][14] A cidade é muitas vezes referida como "a cidade que nunca dorme", enquanto outros apelidos incluem "Capital do Mundo", "Gotham" e "Big Apple".

Em 11 de setembro de 2001, nos Ataques de 11 de Setembro, ambas as torres do World Trade Center foram atingidas por um Boeing 767 cada, causando a completa demolição delas. O Pentágono também foi atingido por um 767 sequestrado, e um quarto avião, também um 767, se chocou em solo na Pensilvânia. Aproximadamente três mil pessoas morreram, no total. Após este atentado, o pior na história americana desde o Ataque japonês a Pearl Harbor, foi realizada a limpeza dos destroços na área onde ficava o World Trade Center, conhecida como Ground Zero. O Freedom Tower será construído em seu lugar. A construção do novo arranha-céu iniciou-se oficialmente em 27 de abril de 2006. Sua inauguração está prevista para 2011, e será um dos arranha-céus mais altos do mundo, e possivelmente o mais alto do continente.

 

publicado por ginger às 02:47 | comentar | favorito
06
Jun 11

Origem do teatro.

O teatro

 

É comum ouvirmos dizer que o teatro começou na Grécia, há muitos séculos atrás. No entanto, existem outros exemplos de manifestações teatrais anteriores aos gregos. Por exemplo, na China antiga, o budismo usava o teatro como forma de expressão religiosa. No Egipto, um grande espectáculo popular contava a história da ressurreição de Osíris e da morte de Hórus. Na Índia, se acredita que o teatro tenha surgido com Brama. E nos tempos pré-helénicos, os cretenses homenageavam seus deuses em teatros, provavelmente construídos no século dezanove antes de Cristo. É fácil perceber através destes poucos exemplos, uma origem religiosa para as manifestações teatrais.

No entanto, podemos olhar ainda mais para trás quando lembramos que o teatro é a imitação de uma acção e que o acto de imitar está presente na essência dos mais primitivos rituais que conhecemos. É através da imitação que a criança se desenvolve aprendendo a falar e a agir. Comparando este homem primitivo com uma criança, podemos observar que ambos são completamente ignorantes em relação ao universo que os cerca. E muito provavelmente, este homem, ansioso por encontrar respostas para as suas perguntas, tenha começado a construir um acervo de mitologias, religiões e rituais, numa tentativa de explicação do mundo, dos fenómenos naturais, da vida, do nascimento e da morte.

 

 

As representações inicialmente eram feitas nas ruas, passando depois a ser em anfiteatros ao ar livre construídos em pedra, nas encostas dos montes. A Acústica era tão perfeita que, quem estivesse na última fila ouvia na perfeição o que os actores diziam.

O teatro grego era um verdadeiro edifício, e seu tecto era o céu azul. As apresentações ocorriam durante o dia, dependendo sobretudo, do clima para serem  confirmadas e realizadas.

Mais tarde surgiram outros locais mais apropriados para actuarem, os primeiros teatros.

O teatro, a literatura e a História, "andando" lado a lado para tentar ilustrar os pensamentos, os sentimentos e as acções do homem universal.

publicado por ginger às 02:46 | comentar | favorito
27
Mai 11

Anjo da Morte. 2º Bloco

No âmbito da Unidade de Formação CLC_7 - DR3: Ciências e Controvesias Públicas, foi-nos proposto a colocação de alguns blocos de vídeo sobre Mengele (2º, 3º e 4º blocos). Mas recuso-me a colocar os restantes blocos no meu blog  porque, possuem imagens chocantes do holocausto. Também foi-nos proposto reflectir sobre a cultura, do homem conhecido por o “Anjo da Morte”.

Mengele foi alcunhado como o “Anjo da Morte” pelos prisioneiros, porque tinha a face de um anjo, e, no entanto, cruelmente fazia selecções para as câmaras de gás de Birkenau. Nem esse alcunha merece! Um monstro não merece ser chamado por anjo, em qualquer circunstância, mesmo que o anjo seja o da morte. Porque, foi um médico que denegriu o nome da medicina e o nome da ciência. O que Mengele fez na segunda guerra mundial, nunca vai ser esquecido em todo o mundo. Os monstros ficam na história e, infelizmente, na memória da humanidade.

Foi o criminoso de guerra mais procurado em todo o mundo.

publicado por ginger às 01:09 | comentar | favorito
21
Mai 11

O Leitor

 

 

 

No âmbito da Unidade de Formação CLC_7 o formador Pedro Fonseca nos propôs para trabalho dos quatro DRs, a leitura do livro o Leitor (autor Bernhard Schlink)., a fim de reflectirmos sobre essa obra muito descritiva, mas interessante. Obra que já foi adaptada ao cinema, cujo filme ainda não vi. Estou a gostar de ler o livro, que é dividido em três partes:

 

    Na primeira parte do livro, Michael regressa ao passado e recorda-se como tudo começou, do romance entre ele, e a Hanna: Michael tinha quinze anos, e Hanna trinta e seis anos. Do primeiro encontro ocasional, nasce uma paixão que se divide entre momentos de leitura, onde Michael lê seus clássicos favoritos para Hanna, e a descoberta do sexo para Michael.

Apesar de não haver abuso sexual, Michael fica marcado, não consegue se envolver de verdade com nenhuma mulher, depois de Hanna desaparecer da sua vida sem deixar rasto.

      Na segunda parte do livro Michael reencontra Hanna no tribunal, novamente um encontro ocasional (Michael é estudante de direito e participa de um julgamento contra criminosos do regime nazi), mas de forma diferente, a mulher que ele conhecera, era bela, sensual, sedutora e autoritária, agora a mesma está perante o Juízo, totalmente diferente, está perante uma situação que para Hanna era a resignação, de um crime que não cometera.

      Michael fica chocado em ver sua Hanna na cadeira de réus, e acompanha o caso. Michael descobre parte do  passado de Hanna no tribunal. Uma ex-guarda de campos de concentração nazi, a ser julgada, acusada do assassinato de inúmeras mulheres judias, enclausuradas em uma igreja em chamas.

     De acordo com a acusação, Hanna seria a líder do grupo de oficiais femininas que estavam sendo julgadas, e teria sido por sua ordem, apresentada através de um documento supostamente assinado por ela, que a Igreja onde estavam as prisioneiras, foi mantida trancada, estando em chamas, a garantir que as mesmas não fugissem, para não haver um descontrolo da situação, um ataque às guardas. Perplexo em saber que Hanna prefere ser julgada e condenada do que revelar o seu segredo. Porque razão Hanna deixou que a situação tomasse um rumo prejudicial para si? Tudo para não revelar o maior segredo da sua vida. Michael sabia que Hanna não assinara aquele documento, pois era analfabeta. Michael manteve-se como espectador. Será que poderia tornar-se participante naquele processo? Afinal ele tinha em seu poder informações que poderiam alterar a decisão final do julgamento. Porque não o fizera? Será que o segredo de ambos (a sua relação no passado), seria ainda mais prejudicial para Hanna naquele momento?

Por Hanna não revelar o seu segredo, recebeu a pior da sentença entre as demais acusadas. Para Hanna era uma vergonha ser analfabeta, e para a Alemanha era vergonhoso? Na década de sessenta, talvez sim, talvez não. Mas na década dos anos quarenta sim era uma vergonha! Mas assassinar outras raças, consideradas inferiores para os nazis não era um acto vergonhoso, mas sim um acto de limpeza. Porque os nazis consideravam-se uma raça superior, a mentalidade dos nazis era virada só para o seu mundo, os seus valores e as suas visões do mundo eram totalmente diferentes das outras raças. E Hanna inconscientemente fez parte desse grupo, quando foi guarda de campos de concentração nazi, pois ela pensava que eram criminosos. Vamos nos por na pele de Hanna, será que agiríamos de forma diferente?

 

Sobre a terceira parte do livro ainda não posso fazer nenhum comentário, infelizmente ainda não li.

 

 

publicado por ginger às 13:58 | comentar | favorito
20
Mai 11

Literatura subversiva na Turquia.

PERPLEXO!

 

William S. Burroughs, se fosse vivo, ficaria satisfeitíssimo: o seu livro de 1961, “The Soft Machine”, foi mais uma vez proibido. Não que Burroughs fosse a favor da censura, com certeza; antes pelo contrário, grande  parte da sua obra acusa a civilização ocidental de ser censória, não só abertamente mas também pela pressão económica e outras formas mais subtis. No entanto, “The Soft Machine” não é um livro cuja subversão do conteúdo salte logo à vista; perturba mais na forma, através de uma escrita cheia de entrelinhas e referencias obscuras que o leitor normal achará bastante chata. Por outras palavras, é uma obra para intelectuais que não representa qualquer perigo imediato para a estabilidade de uma sociedade burguesa medianamente policiada. O mais perigoso de Burroughs é a personagem que ele inventou para si próprio, não os seus livros.

Então, “The Soft Machine” acaba de ser proibido na Turquia, um país que há cem anos, mas principalmente nos últimos vinte, procura desesperadamente ser ocidental e “civilizado”. E foi proibido por uma repartição dificilmente imaginável num pais ocidental e civilizado: O Conselho do Primeiro Ministro para a Protecção de Menores de Publicações Explícitas.

Porque é que um livro para adultos, e ainda por cima para um grupo restrito de adultos cultos que se interessam por literatura experimental, foi parar a este Conselho, ninguém sabe; provavelmente terá sido uma denúncia. O facto é que os conselheiros o acharam perigoso, “desconforme com as normas morais” e susceptível de “magoar os sentimentos morais das pessoas”. Além disso acusam a obra de “falta de unidade no tema”, “em desacordo com uma unidade narrativa”, com “utilização de calão e termos coloquiais” e, pior, “a aplicação de um estilo de narrativa fragmentado.” Finalmente a obra de Burroughs “contem interpretações que não são nem pessoais nem subjectivas, retiradas de exemplos de estilos de vida de figuras históricas e mitológicas”.

Mas o que interessa não será, com certeza, o disparate desta interpretação de “The Soft Machine”, que ainda consegue ser mais marada do que o próprio livro. O que interessa é que ainda existam países que se preocupem em censurar obras que, pela sua própria natureza, pouca subversão possam causar, só porque não estão de acordo com a doutrina estabelecida, tanto para o conteúdo como para a forma.

Realmente, a Turquia ainda tem de andar muito até poder entrar na União Europeia. Pelo andar da carruagem, quando puder aderir já uma grande quantidade de países terá saído – por razões completamente diferentes.

 

publicado por ginger às 02:28 | comentar | favorito
19
Mai 11

Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres 2011

 
 
 É a maior festa realizada nos Açores e, a segunda maior em Portugal, sendo conhecida em todo o mundo, visitada por muitos turistas e pelas comunidades Açorianas.
Na capela do coro baixo conserva-se a imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres. A imagem faz parte de um valioso tesouro, do qual se destaca um conjunto de jóias acumuladas desde o século XVIII, entre elas o resplendor totalmente revestido em pedras preciosas.
Este ano as celebrações realizaram-se no dia dezanove de Maio
publicado por ginger às 22:13 | comentar | favorito
15
Mai 11

Dia Internacional da Familia

 

 

Este é o símbolo da família.

A família é o Alicerce da nossa vida e vai-se construindo aos poucos aprendendo a compreender, a apoiar e a amar.

A família é como uma árvore simboliza a vida, começando por uma semente que tem de ser regada com muito Amor e Carinho para crescer e dar folhas, flores e frutos. Cria raízes profundas que só se fortalece ao longo dos anos.

Sendo a família indispensável à nossa sociedade, a arvore é indispensável a toda a Natureza.

publicado por ginger às 17:00 | comentar | favorito